NOTÍCIAS

Fechamento Convenção Coletiva

Informações para fechamento de folha de pagamento da convenção coletiva 2019/2020.
Observação: Contribuição confederativa de R$30,00, uma única vez ao ano no mes de outubro.

Segue a baixo o link do resumo.

Comunicado Conjunto de Fechamento 2019

 

 

Fechamento Convenção Coletiva

Informações para fechamento de folha de pagamento  da convenção coletiva 2018/2019 .

Observação: Depois de registrada no ministério do trabalho colocaremos completa no site.

Segue a baixo o link do resumo .

cct 2018-2019

 

 

 

CONSIDERAÇÕES SOBRE A TAXA ASSISTENCIAL

 

Senhores Contabilistas responsáveis por escritórios de contabilidade, que contabilizam para empresas do Vestuário de Blumenau, bem como os responsáveis pela feitura da folha de pagamento: 

Prezados Senhores e senhoras.

Sou Júlio José Rodrigues, presidente do Sindicato acima qualificado e tomo a liberdade de vir através desta, tratar de um assunto, que já está se tornando por demais indigesto, porém não há como esclarecer determinado assunto sem entrar no mérito.

O assunto se refere as contribuições a serem recolhidas em favor do sindicato, e a nova orientação do governo inclusa na reforma trabalhista (Lei 13.467 de 13/07/2017 Artigos 578 e 579), determinando que é indispensável a manifestação de vontade por escrito do trabalhador envolvido, indicando a sua escolha, em contribuir ou não com o sindicato. Até aqui, não vejo nenhum problema de entendimento, ficou claro, que o trabalhador, em outras palavras, é quem decide, é dele a decisão final: SIM ou NÃO.

Porém temos verificado, que um grande número de empresas, não estão fazendo este questionamento com seus empregados! E, a seu bel prazer, simplesmente não recolhe, orientando a contabilidade a não fazer o desconto.

Entendo, e vale ressaltar, que o conteúdo dos artigos 578 e 579 da lei 13.467/17, se refere única e exclusivamente a CONTRIBUIÇÃO SINDICAL, (aquela no mês de janeiro e março, para empresários e trabalhadores respectivamente), prevista já na legislação anterior, decreto 5.452/1943 (CLT) na condição de compulsória. Agora inserida na reforma trabalhistas de forma optativa.

Porém a TAXA ASSISTENCIAL ou CONFEDERATIVA, como queiram, estabelecida por meio de Assembleia não é compulsória, haja vista que a Assembleia do sindicato teve todas as publicidades que a lei exige, com a peça inaugural (Edital de Convocação) publicada no caso (SINDIVEST), no Jornal der Santa Catarina. Seguidas de outros chamamentos, tais como: carta na casa de todos associado (a), envio de SMS e Editais nas empresas.

Tem uma corrente de pensamento, inclusive de empresários, que entende que a reforma atinge todas as contribuições. – Não tem logica, pois, o dispositivo legal que trata da matéria se refere a Contribuição Sindical, e estabelece o valor de um dia de salário de todos os trabalhadores. Enquanto a Contribuição Confederativa ou taxa Assistencial como queiram, é incerta, podendo ou não ser implementada por força de assembleia sindical, onde deverão ser chamados associados e não associados para discutir, aprovando ou não, e, se aprovada, o valor a ser cobrado! Nesse caso não vejo a necessidade de a empresa fazer a enquete, pois houve a devida publicidade inclusive em jornal de grande circulação do Edital com a devida” ORDEM DO DIA”, e no dia e hora marcado e sindicato se organizou e de portas abertas aguardou a todos, associados e não associados. Outrossim, é nosso entendimento, de que a Assembleia é soberana e o desconto deverá ser automático. Mais uma vez, estando o sindicato aberto as oposições por carta entregue pessoalmente no sindicato. Assunto que cabe única e exclusivamente ao trabalhador tomar a decisão, sendo vetado a empresa a execução dos meios, contrariando o desconto e facilitando o envio dessas cartas padrão elaborada pela empresa, inclusive transportando trabalhadores em carros da empresa em horário de trabalho.

Essa política em nada contribui para o bom entendimento entre o capital e trabalho. Quando há o boicote do aspecto legal, descaracteriza a seriedade dessas duas forças, compreendendo empresa e sindicato.

 Providencialmente, o SINDIVEST, além do Edital com publicação em jornal de grande circulação, todos os associados receberam em suas casas via correio cartas dando ciência da importância da sua presença na Assembleia, bem como os assuntos a serem discutidos. Dez dias antes os trabalhadores receberam convite via SMS com a Ordem do dia e repetido o mesmo chamamento faltando um dia para a assembleia.

Em última hipótese, a carta de oposição ao desconto, embora sendo fora de propósito tem sido uma prática relevada pelo sindicato.

Todos sambemos que qualquer entidade, que ao abrir as portas para atender o seu público no início de cada dia, começa a ter despesas: luz, agua, equipamentos e pessoal. Com o sindicato não é diferente!

Diante das considerações acima e, considerando que as relações entre sindicato e Escritórios de contabilidade tem histórico de muita riqueza no bom relacionamento, que transita em ambas mãos de direção construindo uma inteiração saudável entre o capital e trabalho, sempre teve o nosso aplauso.

Portanto, o apelo é: primeiro para que todos os trabalhadores colaborem, partindo deles essa disposição para que essa corrente da existência do sindicato, não seja quebrada, pois com certeza trará prejuízo para o sindicato, que terá dificuldades em se manter operando com esmero como sempre foi. Segundo é imensurável a perda que ele trabalhador terá  por fazer a opção de andar só, sem a participação do sindicato, terceiro e  último a confiabilidade dos termos rescisório sem a chancela do sindicato, pois com certeza só sobrará forças para o sindicato atender quem é parceiro do sindicato, ficando desamparado aquele trabalhador que por ventura não colabora de forma nenhuma com o sindicato, seja por opção  de não querer contribuir ou por entender que o sindicato não lhe convém, achando que está fazendo um investimento, ou então aqueles que no atabalhoado processo produtivo não foram questionados.

Então não vemos motivos para as empresas, fazerem campanhas para o não pagamento, construindo cartinha em modelo padrão e mandando os trabalhadores em massa no sindicato, isso só descontrói. Põe tudo a perder no tocante essa parceria de quase trinta anos da existência do Sindicato.

Também, não dá para se exigir atitudes diferentes de alguns empresários, que as vezes até desconhecem essa polemica. É aí que entra as contabilidades, que tem muito mais tato nas relações com o sindicato, fazendo dessa relação uma via de mão dupla, orientando os seus clientes para um encaminhamento mais justo.

Acontece que, se os empregados forem questionados de forma clara sobre o desconto e mesmo assim, se negarem e não sendo associado, fica difícil, de forma despojada e gratuita o sindicato dar atendimento a esse trabalhador, nos seus questionamentos referente a sua relação de emprego. Esse gesto vem em detrimento dos que são parceiros do sindicato, seja associado, ou contribuinte esporádico com as verbas estabelecidas por força das assembleias, ou estabelecidas em lei.

Reforçando, estamos aqui falando da TAXA ASSISTENCIAL, também conhecida como contribuição confederativa, aquela descontada por ocasião das negociações salariais, que tem por objetivo, bancar despesas com as negociações salarias e posteriormente financiar os custos com a manutenção da entidade, principalmente com o Gabinete odontológico que atende por mês aproximadamente 200 trabalhadores associados e que se depender somente das mensalidades, não tem como minimamente bancar todas as despesas advindas com salários, manutenção, medicamentos e as exigências imposta pela Vigilância sanitária, correndo risco de não havendo uma contrapartida, o seu fechamento ser  inevitável.

Neste mês de outubro o desconto será de R$ 30,00 (trinta reais), uma única vez a ser descontados de todos os trabalhadores, associados ou não, e repassado ao sindicato conforme instruções disponíveis no site do Sindicato. E posteriormente depois dos descontos, informar ao sindicato em listagem própria o nome dos colaboradores.

 

Abraço

Júlio José Rodrigues

Presidente

 

 

SINDIVEST-BLUMENAU

ATENÇÃO, VALOR DA MENSALIDADE PASSA PARA R$ 30,00.

O Sindicato dos trabalhadores, após ter convidado associados e associadas para uma Assembleia para tratar da pauta de reivindicação a ser entregue ao sindicato patronal, visando a renovação da norma Coletiva vigente, ao final, pautou também uma reunião para tratar do custeio do sindicato, principalmente a questão do valor da mensalidade paga pelos associados. Alegou a diretoria, que o valor arrecadado pela entidade, não consegue vencer minimamente os gastos do gabinete odontológico, incluindo aí, todo medicamento adquirido, manutenção e encargos sociais (salários) de duas profissionais. Essa reunião aconteceu em 30 de agosto de 2018, e os participantes foram convidados por cartas, convite nas fabricas e mensagens via telefone (2 SMS), para que comparecessem para tratar de um assunto tão importante. Ao final, depois de muita discussão, chegou-se a seguinte conclusão: emergencialmente para não ter que suspender o atendimento no Gabinete odontológico, a mensalidade passará para o valor de R$ 30,00 (trinta reais) a partir de primeiro de setembro. Ficou ainda, recomendado, que aumentar o número de associado é extremamente necessário e torcer para que todos e todas se conscientizem a pagar as contribuições e favor do sindicato. Essa medida é extremamente necessária, para que o sindicato se mantenha aberto para poder atender seus associados e colaboradores.

Blumenau, 11/09/2018.

A Diretoria

BOTANDO FÉ!

 

Apesar das dificuldades financeiras, o sindicato aposta no conforto do seus colaboradores.

Realizando  em sua sede pequenas reformas, que dão um novo visual a entidade.

Contamos com o apoio dos trabalhadores e trabalhadoras para continuarmos atendendo , contribuindo com as taxas em favor do sindicato , só com sua contribuição o sindicato se manterá  de portas abertas.

Reformas em todas as grades, remoção do gramado com aplicação de lajotas, reforma na varanda ( piso) e pintura na parte de acesso do prédio  do sindicato.

 

 

  SINDICATO DOS TRABALHADORES NAS INDUSTRIAS DO VESTUÁRIO DE BLUMENAU

COMUNICADO

 DESCONTOS DE TAXAS E CONTRIBUIÇÕES EM FAVOR DO SINDICATO.

DESTINA-SE AO TRABALHADOR, EMPRESÁRIOS E CONTABILIDADES

 

De acordo com a Convenção Coletiva 2017/2018 (Termo Aditivo) ficou convencionado uma Taxa Assistencial em favor do Sindicato e que deveria ser descontada de todos os trabalhadores, haja vista a aprovação em assembleia no dia 06 de setembro de 2017. Nota-se que a assembleia é soberana e o que nela se decide tem força de lei.

Além da Taxa Assistencial que deveria ser cobrada de todos os trabalhadores, temos ainda a Contribuição Sindical, (março) que é fruto de Legislação Federal antiga e reeditada através da 13.467/17, Art. 579 (lei da Reforma Trabalhista) com a seguinte alteração: na lei anterior, a cobrança era obrigatória e todos pagavam. Com a nova lei, engana-se quem diz que a contribuição sindical acabou! A contribuição está em vigor, porém ela só pode ser cobrada após o trabalhador autorizar por escrito, (sim ou não).

Tem algumas empresas e contabilidades que fez e continuam fazendo a sua própria lei.  Sustentam que as contribuições não existem mais, sem fazer a consulta (por escrito) aos seus trabalhadores, dando a ele o direito de escolha. Essa informação tem chegado a nós pelos próprios trabalhadores, dizendo que não foram consultados e que se fossem teriam colaborado.

As razões para os descontos, se prende a necessidade da existência do Sindicato.

“PODE ESTAR RUIM COM O SINDICATO, MAS SEM ELE SERÁ PIOR”

 A gestão do SINDIVEST é independente e com muito cuidado tem tratado das coisas do trabalhador, sem leva-lo para um espaço de insegurança, visando sempre o bem maior que é a garantia do emprego. E no rompimento das relações entre funcionário e patrão, o primeiro fórum de discussão tem sido o espaço do sindicato, que na maioria das vezes tem se tornado eficaz na busca da razão; sem, portanto, ocupar a justiça do trabalho por questões de simples solução ou até litigar de má fé.

São atitudes como essas, somadas ao atendimento indiscriminado nos quesitos: homologações, feitura de CAT, cálculos trabalhista e aposentadoria, Perfil profissiográfico previdenciário, (PPP), orientações e encaminhamentos jurídico, bem como as regras diferenciadas da Convenção Coletiva de trabalho que nos credenciam a solicitar a colaboração dos trabalhadores e a viabilização por parte dos empresários e contabilidades sobre os descontos e repasses em favor do sindicato.

As empresas e contabilidades que decidiram por conta própria em não fazer os descontos, ainda tem tempo de rever essa posição, para evitar que seu trabalhador seja prejudicado por falta do recolhimento das contribuições, correndo o risco de ficar sem atendimento no sindicato.  Pois, por mais que gostaríamos de atender, não vamos ter condições financeira de arcar com uma estrutura de atendimento.  

O mundo reconhece as atividades dos sindicatos, porém com a Reforma Trabalhista, está nas mãos dos empregados a sobrevivência de sua entidade. Se você escolher “matar” a sua entidade sindical, automaticamente assume os riscos de andar sozinho na sua relação de emprego.

As contribuições para o sindicato, garantem uma estrutura mínima para o atendimento, sem a qual não há condições de manter uma equipe que possa dar os primeiros combates na tentativa de diminuir as angustias pelas quais já estão passando os trabalhadores e o futuro necessita de mais atenção.

O recado aqui expresso tem vários destinatários, principalmente os empregados e patrões.  Em relação as contabilidades, que são do sindicato grandes parceiras, (com raríssimas exceções), deverão passar essas informações para as empresas de sua responsabilidade contábil. Pois no trato com o sindicato poderão ter dificuldades em obter informações e mormente terão dificuldades para agendar homologações no sindicato.

Sabemos que existem muitas empresas, fazendo a sua própria lei com o objetivo de prejudicar o sindicato, desinformando os seus funcionários, na tentativa de afasta-lo da entidade sindical. É uma visão retrógrada, pois sabemos do próprio empregado, quando a empresa não faz os questionamentos necessários, ou fazem de forma maldosa e desleal a fim de reunir informações sobre os descontos ou não das contribuições.

Quanto ao resgate de verbas destinadas ao sindicato, recolhidas dos empregados e não repassadas, também vão prejudicar a empresa que reteve esses valores, (nos agendamentos etc. etc.) mormente anterior a Reforma Trabalhista, pois todos sabem que poderá ser objeto de uma ação mais enérgica com o apoio da justiça, tanto de Contribuição Sindical como confederativa devida há anos, se não tivermos uma resposta positiva não restará aos inadimplentes um chamamento judicial.

Blumenau,22/05/2018

 

Presidente.

Júlio José Rodrigues

COMUNICADO  SINDIVEST

O SINDIVEST sempre primando pela melhora contínua no atendimento de sua categoria informa que:

A partir de 01 DE MARÇO DE 2018, estará implantando o AGENDAMENTO OBRIGATÓRIO através de seu site (http://www.sindivestbnu.com.br), para as homologações.

Informa ainda que, até esta data (01.03.2018) o agendamento é OPCIONAL, sendo OBRIGATÓRIO a partir desta data.

Outrossim, para a confirmação do agendamento é IMPRESCINDÍVEL a regularização de eventuais débitos junto a esta entidade sindical.

 

Blumenau, 30 de janeiro de 2018.

A PRESIDÊNCIA

 

 

JÁ ESTÁ DISPONÍVEL …

Você já pode ter acesso a nova Convenção Coletiva de Trabalho 2017/2018, acesse o link abaixo:

CONVENÇÕES COLETIVAS DE TRABALHO SINDIVEST


COMUNICADO

Hoje (13/12/17), em mais uma rodada de negociação o SINDICATO DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS DO VESTUÁRIO DE BLUMENAU e toda sua Diretoria estiveram reunidos com o Sindicato dos Empresários em mais uma rodada de negociação, tendo como objetivo a continuidade das negociações salariais e a renovação da Convenção Coletiva envolvendo  empregados e patrões da categoria em Blumenau.

Nesse novo embate, foi possível fechar a convenção coletiva, segue a baixo a clausulas e alterações da convenção coletiva 2017/2018.

 

FECHAMENTO DA CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2017/2018

 Cláusula 1 – Reajuste Salarial: (sobre os salários de Setembro/17)

 

– Reajuste de 2% (dois por cento) aplicados aos salários de até 7.793,31 (sete mil setecentos e noventa e três reais e trinta e um centavos);

 

-.. Para os salários acima de 7.793,31 (sete mil setecentos e noventa e três reais e trinta e um centavos), reajuste de uma parcela fixa de R$155,87 (cento e cinquenta e cinco reais e oitenta e sete centavos).

 

Obs: Os reajustes dos empregados admitidos após a data base em 01 de outubro de 2016 serão reajustados na proporção de 1/12 do percentual ou do valor, referido acima, por mês trabalhado até 30 de setembro de 2017, considerando–se como mês completo, período superior a 15 dias.

 

  1. Cláusula 2 – Remuneração mínima: (a partir de Outubro/2017).

 

  • R$ 1.150,60 inicial (R$5,23/hora);
  • R$ 1.247,40 na efetivação, após 90 dias (R$5,67/hora);

 

  1. Cláusula 8 – Auxílio-Creche:

 

  • R$ 205,00 com comprovação;
    • R$ 130,00 sem comprovação.

 

  1. Cláusula 6 – Homologação:

 

– Para trabalhadores que tenham completado 12 meses de serviço.

 

  1. Cláusula 20 – Faltas Justificadas:

 

  • Falecimento de avô(ó) – 2 dias.

 

  1. Cláusulas Novas:

 

– Banco de Horas Semestral;

– Acordo de Compensação Mensal.

 

 

Renovação das demais cláusulas da Convenção Coletiva de Trabalho 2016/2017, com adequação e atualização de redação.

 

 

  1. OBSERVAÇÕES:
    • Estão excluídos os empregados admitidos a partir de 01 de Outubro de 2017 e os empregados com contratos por prazo determinado (experiência), firmados antes de 01 de Outubro de 2017, que não foram contratados quando do respectivo termo, respeitados os valores de remuneração mínima;

 

  • Poderão ser compensadas as antecipações salariais de caráter geral e espontâneas concedidas em relação à data base Outubro de 2017;

 

  • As diferenças salariais resultantes da aplicação do reajuste, incidentes sobre os contratos rescindidos até 13 de dezembro de 2017, inclusive, deverão ser pagas na respectiva empresa, a partir de janeiro de 2018, em até 05 (cinco) dias úteis após a solicitação do ex–empregado ter sido protocolada no departamento pessoal da empresa, dispensada a homologação;

 

  • Para os empregados da empresa, as diferenças salariais decorrentes do reajuste negociado, deverão ser pagas na folha salarial de Janeiro/2018.

 

  1. Cópia da Convenção Coletiva de Trabalho estará disponível no site www.sintex.org.br, após registro no Ministério do Trabalho e Emprego.

Comunicado Conjunto de Fechamento – Vestuário de Blumenau

 

 

BOLETIM DAS NEGOCIAÇÕES

07/12/2017

Hoje (07/12/17), em mais uma rodada de negociação o SINDICATO DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS DO VESTUÁRIO DE BLUMENAU e toda sua Diretoria estiveram reunidos com o Sindicato dos Empresários em mais uma rodada de negociação, tendo como objetivo a continuidade das negociações salariais e a renovação da Convenção Coletiva envolvendo  empregados e patrões da categoria em Blumenau.

Nesse novo embate, não foi possível se chegar a um acordo, haja vista que os interesses ainda se distanciam do entendimento e da aceitação, por parte dos envolvidos.

As divergências estão por conta principalmente das cláusulas que se refere às homologações das rescisões no sindicato, reajuste salarial e o reajuste do piso da categoria, que no entendimento do Sindicato deve ser melhorada.

Portanto não houve avanço nas negociações. Porém ficou garantida a Data-base com a vigência da atual Convenção 2016/2017 até 31/01/2018, devendo ser observada por todos o que nela está contido.

As negociações ainda vão continuar no mês de Dezembro com a próxima rodada de negociação já marcada para o dia 13/12/2017 às 09 horas.

Lembrando que independentemente da data que acontecer o fechamento da nova Convenção, será sempre retroativa a outubro que é o mês da Data-base da categoria. Caso haja um ganho acima do 1,63% que algumas empresas já repassaram espontaneamente, essas deverão repassar a diferença e as que nada concederam, deverão repassar desde outubro a integralidade da correção.

Obs.  Sempre que um fato novo acontecer, informaremos aqui…

Julio José Rodrigues

Presidente

CONFEDERATIVA COMUNICADO PARA AS CONTABILIDADES E EMPRESAS DO VESTUÁRIO DE BLUMENAU.

 

POR DETERMINAÇÃO DA ASSEMBLÉIA GERAL EXTRAORDINÁRIA, QUE ACONTECEU EM 06 DE SETEMBRO DE 2017,  COM TODA PUBLICIDADE LEGAL EXIGIDA, FOI APROVADO PELOS PRESENTES, QUE A CONTRIBUIÇÃO CONFEDERATIVA OU (TAXA NEGOCIAL) SERÁ DESCONTADO DE TODOS OS TRABALHADORES, UMA ÚNICA VEZ NO ANO O VALOR DE R$  30,00 (TRINTA REAIS) QUE DEVERÁ INCIDIR NO MÊS DE NOVEMBRO, E REPASSADO AO SINDICATO ATÉ 10 DE DEZEMBRO DE 2017.

ATENÇÃO: LEMBRAMOS QUE NOS ANOS ANTERIORES ESSE DESCONTO ERA NO MÊS DE OUTUBRO, PORÉM PARA NÃO CRIAR TANTO IMPACTO NA FOLHA DO EMPREGADO, OPTAMOS PELO MÊS DE NOVEMBRO, POIS NESSE MÊS O EMPREGADO RECEBE A METADE DO DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO, DILUINDO UM POUCO O PESO DO DESCONTO.

“A EXISTÊNCIA DO SINDICATO DEPENDE DA CONTRIBUIÇÃO DE TODOS.”

A DIRETORIA.

 

SINDICATO DO VESTUÁRIO DE BLUMENAU

 

LETIM DA NEGOCIAÇÃO 26/10/2017

AS NEGOCIAÇÕES SALARIAIS NÃO EVOLUÍRAM, TEM ALGUMAS CLÁUSULAS QUE SÃO OBJETO DE DISCORDÂNCIA. A CLÁUSULA DO REAJUSTE E AS HOMOLOGAÇÕES NO SINDICATO SÃO EXEMPLOS. PORTANTO, AS NEGOCIAÇÕES VÃO CONTINUAR NO MÊS DE NOVEMBRO NA TENTATIVA DE SE ATINGIR UMA NEGOCIAÇÃO QUE SEJA RAZOÁVEL PARA OS ENVOLVIDOS, PATRÃO E EMPREGADO.

NO ENTANTO, POR ORIENTAÇÃO DOS EMPRESÁRIOS É QUE SEJA DADO 1,63% (INPC-IBGE) AGORA NO MÊS DE OUTUBRO PARA TODOS OS EMPREGADOS DO VESTUÁRIO DE BLUMENAU QUE GANHAM ATÉ R$ 7.765,04. ACIMA DESSE TETO SERÁ UM FIXO DE R$ 126,57.

ESSE VALOR DE 1,63%, TAMBÉM INCIDIRÁ NO PISO DA CATEGORIA, QUE PASSA PARA R$ 1.141,80 O VALOR INICIAL E R$ 1.236,43 APÓS A EXEPERIENCIA.

O VALOR DO AUXILIO CRECHE PASSA SER R$ 205,00 PARA QUEM APRESENTAR RECIBO DE CRECHE CONSTITUIDA LEGALMENTE E R$ 130,00 PARA QUEM APRESENTAR RECIBO DE CRECHE CONSTITUIDA INFORMALMENTE, (MÃE CRECHEIRA É UM EXEMPLO).

 

 

BOLETIM DAS NEGOCIAÇÕES SALARIAIS 2017/2018

SINDICATO VESTUÁRIO CCT 2017/2018

DEPOIS DE ALGUMAS RODADAS DE NEGOCIAÇÃO AINDA NÃO FOI POSSÍVEL O FECHAMENTO DA CONVENÇÃO COLETIVA DO TRABALHO. O IMPASSE ESTÁ NO REAJUSTE QUE  AS EMPRESAS SÓ QUEREM REPASSAR O  ÍNDICE  DO IBGE QUE É DE 1,63%. AS HOMOLOGAÇÕES NO SINDICATO AS EMPRESAS TAMBÉM NÃO QUEREM ACEITAR. AS DEMAIS CLÁUSULAS  A OFERTA É DE REEDIÇÃO COM ALGUMAS ALTERAÇÕES.  ONTEM A NOITE  (24/10/2017) OS EMPRESÁRIOS SE REUNIRAM  MAIS UMA VEZ, VISANDO MAIS UMA REAVALIAÇÃO SOBRE O QUE OS TRABALHADORES ESTÃO PEDINDO.

AGUARDAREMOS NOVOS CAPÍTULOS.

A DIRETORIA.

Blumenau, 25/10/2017

——————————————————

datas para fgts inativo

 Estudar é a forma mais eficiente de se vislumbrar o futuro..

Julio José Rodrigues
————————————————————————————————————————————————————————————————————————
                                                          Ex-seringueira tem 11 filhos formados em universidades

Marlene da Costa Maciel, 59 anos, ex-seringueira do Acre, viúva e mãe de 14 filhos. Esse breve resumo da vida desta mulher já dá a dimensão da lutadora vitoriosa que é.

Se adicionarmos à história que 11 dos 14 filhos já se formaram em cursos superiores e que outros dois estão estudando para isso, é possível entender a felicidade que ela comemora diariamente.

Marlene e o marido trabalhavam no Seringal Extrema, no Rio Moa, durante anos. Quando os primeiros filhos começaram a crescer, o casal se mudou para uma fazenda de Cruzeiro do Sul.

Segundo a entrevista dela para o G1, a mudança tinha o objetivo de permitir que os filhos pudessem estudar com mais qualidade.

“Meu marido dizia que ou colocava todos na escola, ou não colocava nenhum. Plantamos muita roça para fazer farinha. Quem estudava de manhã trabalhava à tarde e quem estudava à tarde trabalhava pela manhã. Quem estudava à tarde saía de casa às 10h30 e só chegava às 20 h”, conta a mulher.

Em 2015, o marido morreu, mas, muito já havia sido conquistado. Agora, 11 filhos já se formaram, dois estão cursando e um estuda para entrar na faculdade.

Marlene tem até um filho formado em Medicina. Além dele, há quem optou por Letras, Pedagogia, Assistência Social, Educação Física, Enfermagem, Ciências Contábeis, Biologia, Engenharia Florestal.

O agente penitenciário Jerry Maciel de Souza, de 37 anos, é o filho mais velho do casal e não titubeia ao atribuir o sucesso da família à força da mãe.

“Temos muito orgulho de nossa mãe. Todos têm faculdade e a maioria tem bons empregos. Isso foi graças a Deus, nosso esforço, e, principalmente, o zelo de nossa mãe que sempre nos estimulou a buscar na escola nosso futuro. Nossa mãe é uma guerreira e vamos sempre estar ao lado dela”, diz.

Fonte: Arison Jardim/ Secom Acre

————————————————————————————————————————————————————————————————————————
                                              CCT 2016/2017

Nesta quinta -feira dia  13/10/2016  ,   foi fechada a convenção coletiva de trabalho de 2016/2017.

Segue o link abaixo referente o  comunicado conjunto do fechamento da convenção coletiva de trabalho de 2016/2017.

comunicado-conjunto-fechamento-da-cct-2016-2017

Diretoria Sindivest

 

Assista ao vídeo em Defesa da Previdência Social

————————————————————————————————————————————————————————————————————————

Aposentadoria – As regras do INSS

Saiba como funcionam os principais tipos de aposentadoria pelo INSS, que atende os trabalhadores do setor privado.

A imagem abaixo apresenta como se aposentam os Brasileiros:

 

aposentadoria imagem

Tipos de aposentadoria

  • % do total de aposentadorias 53% 30% 17%.
  • Idade: 9,936 milhões de Beneficiários.
  • Tempo de Contribuição: 5,575 milhões de Beneficiários.
  • Invalidez: 3,218 milhões de Beneficiários.

Valor médio* R$ 888,59 R$ 1.817,86 R$ 1.091,93
Regra 30/35 Regra 85/95.
Tempo de contribuição mínimo 15 anos 30 anos (mulheres) e 35 anos (homens) Não há 1 ano.

Idade mínima Trabalhadores urbanos: 60 anos (mulheres) e 65 anos (homens). Trabalhadores rurais: 55 anos (mulheres) e 60 anos (homens) Não há Não.

Valor do benefício 70% da aposentadoria integral mais 1% por ano de contribuição. Assim, um trabalhador urbano que se aposentar aos 65 anos com 30 de contribuição receberá aposentadoria integral. O fator previdenciário só é aplicado se favorecer o contribuinte O valor da aposentadoria integral é multiplicado pelo fator previdenciário.

Hoje, um homem de 55 anos que se aposente com 35 de contribuição tem fator 0,695. Portanto, receberá 69,5% do valor integral Soma-se idade e anos de contribuição. No caso da mulher, se o resultado for 85 ela receberá aposentadoria integral, sem aplicação de fator previdenciário. Para o homem, a soma tem de ser de 95.

Esses requisitos serão elevados a cada dois anos a partir do fim de 2018, chegando a 90/100 do fim de 2026 em diante Aposentadoria integral.

*Em junho de 2016. **Paga ao trabalhador permanentemente incapaz de exercer atividade laborativa. Se ele voltar a trabalhar, a aposentadoria é cancelada. O benefício pode ser reavaliado pelo INSS a cada dois anos.

Entenda

Aposentadoria integral
Média aritmética dos 80% maiores salários de contribuição desde julho de 1994
Exemplo: Para quem contribuiu por 200 meses, será feita a média dos 160 maiores salários.
Fator previdenciário
Índice atualizado todos os anos que varia conforme a idade, o tempo de contribuição e a expectativa de vida do beneficiário.

Teto da aposentadoria
Em todos os casos, o valor do benefício é limitado a um teto definido anualmente pelo INSS.
Em 2016, o benefício máximo é de
R$ 5.189,82

Fonte : Gazeta do Povo Fernando Jasper.

rescisão2

DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA HOMOLOGAÇÃO
SINDICATO DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS DO VESTUÁRIO DE BLUMENAU

PEDIDO DEMISSÃO

  • CTPS (CARTEIRA DE TRABALHO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL);
  • ATESTADO MÉDICO DEMISSIONAL;
  • PPP (PERFIL PROFISSIOGRÁFICO PREVIDENCIÁRIO);
  • EXTRATO DO FGTS DOS ÚLTIMOS 6 MESES;
  • FICHA AUXILIAR DO REGISTRO;
  • TERMO DE RESCISÃO EM 03 VIAS, SENDO: 1 Via para o trabalhador, 1 Via para o Sindicato e 1 Via para a empresa;
  • COMPROVANTE DE PAGAMENTO DA RESCISÃO EM DEPÓSITO BANCÁRIO OU EM DINHEIRO NO ATO DA HOMOLOGAÇÃO.

————————————————————————————————————————————————————————————————————————

DISPENSA SEM JUSTA CAUSA

  • CTPS (CARTEIRA DE TRABALHO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL);
  • AVISO PRÉVIO (Indenizado e/ou trabalhado 30 dias menos 2h, ou 23d horário integral);
  • ATESTADO MÉDICO DEMISSIONAL;
  • FICHA DE ATUALIZAÇÃO DA CTPS;
  • PPP (PERFIL PROFISSIOGRÁFICO PREVIDENCIÁRIO);
  • TERMO DE RESCISÃO 05 VIAS: 3 Vias para o Trabalhador, 1 Via para o Sindicato e 1 Via para a Empresa;
  • EXTRATO FGTS;
  • DEMONSTRATIVO DO TRABALHADOR DE RECOLHIMENTO FGTS RESCISÓRIO;
  • GUIA DE RECOLHIMENTO DA MULTA 50% DO FGTS;
  • COMPROVANTE DE PAGAMENTO DA MULTA RESCISÓRIA DO FGTS;
  • CHAVE DE CONECTIVIDADE – LIBERAÇÃO DE SAQUE DO FGTS (Após 10 dias do recolhimento).
  • SEGURO DESEMPREGO
  • Comprovante de pagamento da rescisão em deposito bancário ou em dinheiro no ato da homologação.

————————————————————————————————————————————————————————————————————————
UTILIDADE PÚBLICA
Cartão de crédito

Tenho observado que hoje em dia são poucas as pessoas que não tem um Cartão de Crédito, quando não é dois. O que me chama mais atenção é o fato de que nem todos conhecem os princípios básicos da matemática financeira. E é bem nesse quesito que muita gente se atrapalha.

Tudo isso tocado pela colaboração do comércio, que filtram as pessoas para as compras via cartão de crédito. A promissória, o carnê e o antigo crediário estão em desuso, e cada vez mais se exigi o Cartão de crédito. Sem contar que se a compra for com cheque, você vai passar por um crivo de perguntas para formatar uma ficha, que da inveja a qualquer órgão de segurança nacional. Cartão, quem não tem, é tratado de forma displicente, sem muita atenção. Esse tratamento diferenciado para pior é uma tentativa de encaminhar o cliente para uma compra casada com a oferta do cartão que já vem além da bandeira, o logotipo da loja. Sem querer, somos garoto propaganda, e ao apresentar o cartão denunciamos a sua origem. Mas vamos a o que interessa. Não é de hoje que o cartão de crédito tem levado muita gente a sair do trilho e perder o controle dos seus gastos via cartão. Os noticiários financeiros alertam para esse detalhe, mas infelizmente não prestamos atenção ou nenhuma importância e preferimos pactuar, com com a exorbitância dos juros. Nesse sentido achei bem interessante e didático a matéria da Planejadora Financeira pessoal, Diretora do IBCPF ( Instituto Brasileiro de Certificação de Profissionais Financeiro) Márcia Dessen. Simples e bem elaborada a Planejadora faz um relato do que acontece quando você não dá muita atenção nas armadilhas imposta pelas administradoras de cartões de crédito. – Para exemplificar ela parte de uma compra de R$ 100,00. Quando vem a fatura e você resolve pagar a parcela mínima de R$ 15,00. Sua rápida contabilidade mental indica que você agora deve R$ 85,00 e logo dará conta de liquidar a fatura. Mas você se esqueceu de considerar os juros. Sobre os R$ 85,00 incidem juros de 16% ao mês e o saldo devedor do mês seguinte será de R$ 98,60. É isso mesmo a parcela mínima paga corresponde aproximadamente ao valor dos juros. Ou seja, você amortizou quase nada da divida. Já pagou R$ 15,00 e ainda esta devendo praticamente a mesma coisa. Você ainda não sabe, mas aqui começa a rolar uma bola de neve que vai se estender pelos próximos 17 meses. No mês seguinte você recebe a fatura com um saldo de R$ 96,98. Paga novamente a prestação mínima de R$ 15,00. Seu saldo devedor depois de pagar a prestação é de 86,60. Mas ai vem o famigerado juro de 16% e corrige novamente o saldo devedor, que passa para R$ 96,98. Você deve estar pensando que algo está errado. Já pagou R$ 30,00 e o saldo devedor continua praticamente o mesmo?! Desse jeito vai demorar a se livrar dessa divida. Mantido o ritmo de pagamento de R$ 15,00 por mês a divida será liquidada em 17 meses, depois de pagar R$ 254,70, duas vezes e meia o saldo devedor inicial, só de juro foram pagos R$ 154,70.

E para chegar nesse valor, o exemplo considera que não houve outra compra no cartão e que todas as parcelas de R$ 15,00 foram pagas pontualmente na data do vencimento, não sendo devido juro adicional por atraso de pagamento. Mas era só uma comprinha inocente de R$ 100,00, como foi que me meti nessa enrascada?
Diante desse relato fica fácil, perceber o quanto estamos sujeitos a ser explorados por quem tem o domínio dos princípios da matemática financeira. O dinheiro é tão difícil de se ganhar. Portanto, todo cuidado é pouco. Imagina que como num passe de mágica o que era uma comprinha de R$ 100,00, se torna algo em torno de duas vezes mais o valor inicial. Nosso suado dinheiro, escapulindo entre os dedos para cair no bolso de quem se diverte à custa da nossa boa fé. Ainda para refletir! Não importa o valor da compra, esse desastre financeiro se aplica nas mesmas proporções a outros valores. A compra de R$ 100,00 é somente para exemplificar. Fuja dessa armadilha e procure outra forma menos agressiva de crédito… Essa é a dica.

Julio José Rodrigues
30/05/16
————————————————————————————————————————————————————————————————————————

                                  Poema da Costureira

 

A BUSCA…

Nem parece que viestes de tão longe!

Caminhos longos, tortuosos na escuridão. È cedo ainda!

Passos firme que te conduzem para as incertezas de mais um dia…

Porque o relógio cedo despertou!

Companheiro da retidão, não perdoa!

Fiel escudeiro do patrão.

Numa longa caminhada, segues firmes com o propósito de marcar o ponto, pois é dia de mais uma jornada.

Na inquietude da vida, o tempo voa, e chegas rápido no palco da produção.

 

COSTUREIRA!

Agora, com desenvoltura, andas pelos corredores.

Põe em marcha a tua maquina.

Conferes cores, regulas os pontos,

Juntas os panos e ajustas as tonalidades.

O barulho ensurdecedor, dissipa teus pensamentos!

Não és mais só uma costureira,

És parte de um todo, amante das cores, dos vieses e da roupa pronta.

 

ANONIMATO

Mas a quem servirá esse trabalho?

Ninguém sabe quem costurou!

Segue agora para lugares distantes.

Ganha o mundo o teu trabalho!

Pode ser nas passarelas, nas mesas ou na cama de uma donzela, é que estás entre celebridades!

Tudo no anonimato!

Mas eu sei quem é você! Costureira!
————————————————————————————————————————————————————————————————————————

MÃOS QUE CONDUZEM A COSTURA

Nenhum ponto existe sem tua presença, pois mãos delicadas dão a direção

Dobras as esperanças, jogando de um lado para o outro, sonhos alimentados.

Na ponta da agulha, arrematas a costura desses teus sonhos.

No infesto dos panos, cortas todos os fios das incertezas.

Embainhas todas as extremidades do lençol da vida, sonhando com a felicidade, medes o teu valor.

No dobrar das fronhas coloridas, buscas o bem estar de quem pretende dormir na paz!

Na maquina, o sentido da trama e do urdume, desperta, dando o direcionamento de todos os propósitos:

Costurar com dignidade é um deles.
————————————————————————————————————————————————————————————————————————

O REGRESSO

E agora segues o caminho de volta.

Tudo é real!

Não és só uma costureira! Quem sabe, mãe, esposa, jovem ou simplesmente MULHER…

De: Julio José Rodrigues

Presidente do SINDIVEST- Blumenau, 29 de outubro de 2015.

——————————————————————————————————————————————————————————–

————————————————————————————————————————————————————————————————————————

Nova diretoria impossada em 2015

Nova Diretoria SINDIVEST Impossada em 2015

————————————————————————————————————————————————————————————————————————

Presidente da FETIESC- Idemar Martini , discursa em ato de posse do SINDIVESTPresidente da FETIESC- Idemar Martini , discursa em ato de posse do SINDIVEST

————————————————————————————————————————————————————————————————————————

Presidente da UGT -SC prestegia posse do SINDIVESTPresidente da UGT -SC prestegia posse do SINDIVEST

————————————————————————————————————————————————————————————————————————

momentos da posse Sr. Calixto Ramos , presidente da CNTI e Julio Rodrigues (2)Momentos da posse Sr. Calixto Ramos , presidente da CNTI e Julio Rodrigues